Maggie e Angie entre a Política e a Ciência

Na semana passada a Margaret Thatcher foi pro saco tornando impossível entrar em sites de notícia para ver os resultados do futebol sem ficar entediado com o assunto repetitivo na barrinha lateral. O que não foi entediante foi descobrir (não graças a imprensa) que quando a Maggie fez faculdade em Oxford não foi política ou direito que ela cursou, e sim química!

Se ela depois seguiu carreira política não mudou o fato de ela ter uma formação científica. Prova disso foi que durante a década de 80, quando ela estava cortando a verba de tudo no Reino Unido, ainda assim o CERN conseguiu convencê-la a investir no LEP (o antecessor do LHC) que tinha por objetivo encontrar os bósons W e Z da interação fraca (veja aqui para um descrição completa do ocorrido e para ver uma foto dela no lab). Se a Maggie deu a grana para o CERN é muito porque ela tinha a capacidade de compreender não a física por trás do experimento, mas sim o processo por trás da ciência como um todo. O suficiente para antes do anúncio oficial da descoberta o diretor geral do CERN mandar uma carta para ela avisando que haviam encontrado as tais partículas.

Não é sobre essa Margaret que eu estou falando

Não é sobre essa Margaret que eu estou falando.

Mudando de país, no começo de fevereiro aconteceu um pequeno escândalo na Alemanha quando caiu a ministra de Educação e Pesquisa após o doutorado dela ter sido alvo de uma denúncia de plágio, um probleminha para um governo que enfrenta eleições ainda nesse ano. E dois anos atrás o governo havia perdido também o ministro da defesa pelo mesmo motivo. Governo esse da Angela Merkel, uma mulher conhecida pela sua dureza nas relações internacionais, por ter o mesmo modelo de blazer em todas as cores possíveis e pelo seu doutorado em física(!).

A única pessoa realmente formada em física que aparece na TV e seu carisma

A única pessoa realmente formada em física que aparece na TV e seu carisma

E do que se trata o doutorado da Angie? Tem um título gigante que se traduz em algo como “Investigação dos mecanismos de reações de decaimento com quebra de ligações simples e cálculo de suas constantes de velocidade através de métodos de química quântica e mecânica estatística”. Basicamente ela começa com uma hamiltoniana, faz uma teoria de perturbação dependente do tempo para tirar umas larguras de decaimento e depois usa formalismo microcanônico para calcular propriedades termodinâmicas. Se você não entendeu nada não se preocupe, era só para ilustrar que é cheio de coisas com nomes bonitos e difíceis.

Capa da tese de doutorado da Angie. Você sabe que é sério porque está escrito em alemão

Capa da tese de doutorado da Angie. Você sabe que é sério porque está escrito em alemão

Fora o fato curioso de que discutivelmente as duas mulheres mais importantes da política ocidental recente tem um passado nas ciências exatas, o que eu queria notar é que em certos países ter uma formação acadêmica é algo natural dentro da política, e a correlação com o fato de que esses países estão entre os mais produtivos cientificamente. Seria interessante ter um deputado/senador/(seu cargo favortio) que tivesse qualquer ligação com a ciência e não ter que lidar com a bancada no congresso do Monstro de Espaghetti Voador ou o quer que seja.

Anúncios